quarta-feira, dezembro 14, 2005

Padres homossexuais contra directiva do Vaticano

Cinquenta padres de «tendência homossexual» denunciaram hoje numa carta aberta ao Vaticano a directiva aprovada pelo Papa Bento XVI que interdita a ordenação de seminaristas homossexuais.

Estes padres, que se dizem obrigados ao anonimato, afirmam-se «profundamente magoados» com a directiva, nomeadamente com as suspeitas de pedofilia que ela faz recair sobre os homossexuais.

«A nossa homossexualidade nunca foi um obstáculo a uma boa relação com os homens e as mulheres, como afirma o documento», refere a missiva.

«Estamos profundamente magoados com essa afirmação completamente gratuita», acrescentam, descrevendo-se como os «filhos abandonados e não amados de uma Igreja a que prometeram fidelidade e amor».

A carta aberta, dirigida ao signatário da directiva, o cardeal Zenon Grocholewsky, prefeito da congregação para a Educação Católica, foi publicada hoje no site da Internet www.gaysnews.it.

Os signatários da carta aberta sublinham que não têm mais problemas do que os heterossexuais para viver em castidade, conforme é exigido aos padres.

«Não somos doentes sexuais e a nossa tendência homossexual não afecta a nossa saúde psíquica, nem os nossos valores morais e humanos», referem também no documento.

O Vaticano publicou no passado 29 de Novembro o documento, aprovado a 31 de Agosto pelo papa Bento XVI, pede aos bispos de todo o mundo para não ordenarem padres ou diáconos os seminaristas que mantenham práticas homossexuais, apresentem tendências homossexuais enraizadas, ou apoiem a «cultura gay».

Surpreendeu-me esta notícia. Ainda bem que estes 50 padres tiveram coragem de levantar a voz contra a instituição católica. O que continua a me espantar é que os católicos que conheço não pensam assim, mas nem por isso se sentem suficientemente incomodados pelas posições retrógradas, anti-democráticas e sobretudo, castrantes da liberdade de cada um, para protestar, para mudar de igreja, sei lá.
Enfim..

4 Comments:

Blogger mega said...

Não dá para perceber.
Se a ordenação de padres é feita com base no celibato qual é a importância da orientação sexual? Se não haverá acto sexual como é que o facto de ser hetero ou homossexual vai interferir na sua vocação?

7:46 da manhã  
Blogger Ariel said...

gostei muito do vosso blog. Activistas precisam-me. Parabéns!!

5:37 da tarde  
Blogger Ariel said...

gostei muito do vosso blog. Activistas precisam-se. Parabéns!!

5:38 da tarde  
Blogger vitche said...

É ideia minha ou celibato pressupõe
total abstinência de sexo? Qual orientação sexual? Qual sexo? Ou estou atrasada nesta coversa e já ordenam padres casados?

11:02 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home